Paróquia
Sagrado Coração de Jesus

Poços de caldas - mg | Diocese de guaxupé

Paróquia hoje:

Quaresma: um momento de graça e misericórdia na vida dos cristãos- reflexão quarta-feira de Cinzas 2020- Seminarista Diogo

Meus queridos irmãos e irmãs, iniciamos, com a quarta-feira de cinzas, dia de penitência, oração, jejum e abstinência de carne, um novo tempo litúrgico na vida da Igreja: a Quaresma. Tempo favorável para realizarmos uma profunda reflexão da nossa vida, da forma como estamos vivendo o ser cristão e, sobretudo, como temos nos relacionado com Deus. Em suma, é um momento de graça e misericórdia para todos nós cristãos.

É um tempo de combate espiritual. O Catecismo da Igreja Católica nos ensina que, durante esse período, a Igreja se une ao mistério de Jesus no deserto, que resiste às investidas do maligno, da personificação do mal ou de tudo aquilo que nos afasta de Deus. O refúgio seguro de Jesus era a graça do Pai que estava com ele. Precisamos mergulhar nessa graça, distribuída abundantemente nas ações litúrgicas ministradas pela Igreja durante o tempo quaresmal.

Na quarta-feira de Cinzas, por exemplo, recebemos o sinal sacramental de nossa pequenez, de nossa fragilidade perante Deus. “Lembra-te que és pó e ao pó retornarás”, diz-nos uma das rubricas de imposição das cinzas propostas pelo Missal Romano. Se nos apresentarmos diante de Deus como fracos, pecadores e necessitados de Sua graça, Ele, todo misericordioso, preencherá nossas vidas com seu amor e sua graça infinita, que nos tornam capazes de enfrentar as dificuldades da vida, principalmente aquelas que nos afastam d’Ele.

É preciso que o nosso coração se converta profundamente a Jesus!

Talvez alguém possa pensar o seguinte: “Já sou católico e batizado, portanto, não preciso de me converter”. Conversão significa uma mudança de rota, de caminho. Se analisarmos bem a nossa vida, vamos perceber que precisamos de algumas conversões, de realizar algumas mudanças estritamente necessárias, para sermos fiéis e obedientes a Deus. A conversão não pode parar, porque ainda não somos perfeitos, como o Pai do Céu é. É necessário, como nos diz São Paulo, deixar para trás o homem velho e nos vestir do homem novo, que, por sua vez, é insatisfeito, por natureza, com sua condição de pecado e, por isso, busca sempre mais a perfeição evangélica. Sendo assim, a Quaresma conclama, de nossa parte, uma reflexão pessoal e interiorização, para que saibamos o que é preciso modificar em nossa vida.

A Igreja nos ensina alguns exercícios que nos ajudam no crescimento espiritual durante a Quaresma:

  • 1) Oração: só conseguimos alcançar Deus e nutrir uma comunhão com Ele por meio de uma vida de oração. Se já rezamos todos os dias, como de costume, devemos aumentar, investir um pouco mais do nosso tempo em oração. Por exemplo, se rezamos três Pai-nossos e três Ave-Marias, vamos passar a rezar seis, até que torne um hábito. Podemos também, para esse fim, realizar a leitura de um livro inteiro da Bíblia, especialmente os livros do Êxodo e dos Números, que tratam da libertação do povo hebreu.
  • 2) Penitência: indispensável para o esvaziamento de nós mesmos, para nos preenchermos de Deus. Podemos nos penitenciar com a abstinência de algum alimento ou bebida como, por exemplo, doces e carnes.
  • 3) Esmola: dedicar mais do nosso tempo às obras de caridade. Podemos exercê-la ao visitar os doentes, os encarcerados, os idosos e, também, no crescimento do amor fraterno, amando os irmãos mais profundamente, deixando de lado nosso egoísmo e orgulho.

Ademais, a Quaresma nos ajuda a reavivar os dons que recebemos no dia do nosso Batismo. Na Igreja primitiva, ela era o tempo em que os catecúmenos se preparavam para os sacramentos do Batismo e da Eucaristia, celebrados na Vigília da Páscoa. Aos que iam receber os sacramentos, uniam-se as pessoas já batizadas, as quais, juntas, realizavam um percurso de conversão e renovação, revivendo a lembrança do sacramento recebido e se dispondo a uma renovada comunhão com Cristo na jubilosa celebração da Páscoa. Isso nos recorda que o ser cristão nunca é uma história concluída, que se encontra no passado, mas um caminho que exige sempre mais um exercício renovado. Que tenhamos todos uma boa e santa Quaresma! Amém!

Referências:

Bento XVI, Papa. Um caminho de fé antigo e sempre novo: o ano litúrgico pregado por Bento XVI, tomo I – ano A. São Paulo: Molokai, 2017.

Autoria: Diogo Donizete Carvalho, seminarista estagiário na Paróquia Sagrado Coração de Jesus.