Paróquia
Sagrado Coração de Jesus

Poços de caldas - mg | Diocese de guaxupé

Paróquia hoje:
Voz do Pastor › 12/11/2013

Qual é o verdadeiro milagre?

Neste mês gostaria de partilhar com vocês o testemunho de Ulisses nosso paroquiano que acompanha a doença da sua esposa Karlinha. Pedi para ele poder publicar no jornal e essa foi sua resposta:

“Meu querido amigo e irmão, padre Graziano! Tudo é do Pai! Compartilhe conforme quiser. Pode ter certeza de que tudo isto tem a sua participação, a sua luz e as suas palavras. No dia 28 de novembro de 2007 quando ouvi a sua homilia na formatura da 8ª série do Colégio 7 de Setembro/COC a minha alma encheu-se de luz e de esperança. Desde então freqüento a nossa Paróquia. O senhor é filho amado e abençoado de Deus. Obrigado por compartilhar a sua vida conosco.”

Portanto publicamos seu testemunho que me permito de intitular :

QUAL É O VERDADEIRO MILAGRE?

                                                                                                                                                   Testemunho de Ulisses Vilela Menegaz

Estamos comemorando um ano da nova vida da Karlinha e os 15 anos da Maria, nossa querida e amada princesa. Nossa família e nossos amigos acolheu a missão que Deus nos confiou e unidos em fé, esperança, amor e perseverança iniciamos esta jornada.

A Karlinha está ótima de saúde. Os seus indicadores clínicos estão sempre estáveis, tem se mantido em estado de vigília desde o início da manhã até por volta de 21 horas. Acompanha tudo que acontece ao seu redor e mantém-se ligada ao mundo através do seu olhar lindo e maravilhoso. Acredito que em novembro, depois que o dr. Sérgio retornar de suas férias, deverá trocar a DVP, a válvula que drena o líquido encefálico. Nos próximos dias fará uma tomografia de reconstituição da traqueia para definir sobre a decanulação, que é o fechamento da traqueotomia. Hoje ela está utilizando a cânula mais estreita disponível.
Há um ano, quando recebi a ligação da Maria dizendo que a mãe dela tinha desmaiado na cozinha e que estava morrendo nem imaginava o que estava por vir. Corroborou neste sentido o diagnóstico de “enxaqueca crônica” e o fato de que ela havia iniciado um regime. Mesmo depois que foi constatado o AVCH tudo parecia caminhar para um desfecho rápido e tranquilo, pois, apesar da confusão mental, ela controlava o seu corpo quase na plenitude. Entretanto, o desafio reservado para a Karlinha era maior e a notícia do coma caiu como uma bomba; desesperador como um vendaval que coloca tudo ao seu redor de ponta cabeça.
Hoje, revivendo cada minuto desta trajetória, percebo, compreendo e constato que a presença de Jesus, do Espírito Santo e de Nossa Senhora nos amparava e nos preparava para esta jornada. Cito, como exemplo, a nossa viagem a Uberlândia no feriado de 12 de outubro, quando a Karlinha cismou que precisava ir na chácara onde o meu sogro e minha sogra viveram para se despedir. Eu ainda tentei dissuadi-la dizendo para deixar a viagem para o feriado de Finados, quando, por causa do aniversário de Itapetininga e de Poços de Caldas, poderíamos ficar cinco dias. Ela simplesmente descartou dizendo que não dava tempo para esperar até lá.
Mas a nossa história não é de tristeza e nem de derrota, é de alegria e de vitórias que se somam a cada dia. Imperceptíveis aos nossos olhos, mas vibrantes para os nossos corações apaixonados.
Neste ano hoje completado nossa família estreitou os laços de amor e solidariedade; cresceu e multiplicou; ganhou sotaques diferentes; consolidou-se no ecumenismo de tantos corações unidos em Cristo e orando todos pela cura e pela reabilitação plena da Karlinha. Somos amparados ininterruptamente por vocês, por aqueles que estão próximos e também por aqueles que estão distantes. Não sabemos o ”por quê” de recebermos gratuitamente tanto e tão grande amor!
Muitos poderão se indagar se estamos felizes em ter a Karlinha como ela se encontra hoje. Eu lhes digo: sim e não. Não, porque estaria sendo medíocre e mentiroso. É lógico que preferia ela brigando comigo agora, me beijando, caminhando de mãos dadas em uma praia qualquer ou comendo um cachorro quente em Itapetininga. Sim, porque mesmo no atual estágio de sua saúde a presença dela em nossas vidas é fundamental e preenche todos os vazios de nossas almas. É uma obra divina que une o céu e a terra. É uma experiência única e quase que indescritível. E nem tudo na vida é o que vemos! Crer está para além do ver, do tocar, do sentir, do ter.
Neste ano minha mente bloqueou os sonhos com o “meu hoje Amor e para todo o sempre”. Entretanto, na noite de quinta para sexta-feira da semana passada, sonhei com ela. Estava linda, radiante e perfeita. Eu, por outro lado, portava deficiência física nos braços e nas pernas. A Karlinha me convidou para sair com ela e fomos a uma reunião com muitas pessoas. Não reconheci ali ninguém. O que me chamou a atenção era que eu era o único portador de deficiência. Acordei sem compreender o sonho e, como de praxe, levei a Maah para a escola e fui para a missa. Durante a missa, de repente, veio uma revelação clara e transparente como locução interna: aos olhos de Deus, do Pai Celestial, a Karlinha está perfeita, mas você não. Evidente que a emoção me levou às lágrimas e trouxe conforto ao meu coração.
eles que lhes são caros!