Paróquia
Sagrado Coração de Jesus

Poços de caldas - mg | Diocese de guaxupé

Paróquia hoje:
Voz do Pastor › 10/12/2012

Em nome do Natal…

 

Nestes dias que se aproximam do Natal, nós cristãos somos chamados a testemunhar nossa fé. Celebramos o nascimento de Jesus não como um aniversário, mas como algo que aconteceu na história e que hoje na liturgia se atualiza em nós. Isto é, Deus tem que nascer em nós. Para isso é preciso uma preparação, para que realmente o nosso coração se abra a Deus. Não precisamos por isso pensar em coisas extraordinárias, mas precisamos viver em maneira excepcional, aquilo que parece tão normal.

Para muitos, aquela noite parecia normal, assim como o nascimento de uma criança, mas, com a vinda de Jesus, o mundo nunca mais seria o mesmo. Assim na nossa vida, tantos gestos aparentemente normais são expressão do Natal. O cristão vive em seu coração com a força do Natal. Sabe que cada gesto de amor pode transformar o mundo. Madre Teresa dizia: “È Natal quando sorrimos para um irmão, quando ficamos em silencio para ouvir alguém. É Natal toda vez que permites a Deus de amar por meio de você!”.

Em nome deste Natal, queremos construir um mundo mais humano. Em nome deste Natal, voluntariamente e sem receber, participamos de projetos solidários e transformadores. Em nome deste Natal, repartimos o pão, repartimos alegrias e dores, colocando de lado o “EU” para que prevaleça o “NÓS”. Em nome deste Natal sabemos que Deus está presente em cada criança e por elas sonhamos, lutamos, preparamos um mundo mais digno. Em nome deste Natal, ainda nos colocamos contra os “Herodes” que matam os inocentes. Em nome deste Natal ainda cantamos Glória a Deus nas alturas e paz, amor e justiça nesta terra.

Sinto-me pequeno e frágil como Jesus Menino. Vejo como é difícil lutar contra uma cultura de puro egoísmo; a cultura de um individualismo assustador; a cultura que tudo compra ou vende, mas não sabe dar de graça. Sinto que na Igreja falamos coisas lindas e sonhamos alto, mas vejo poucas pessoas realmente dispostas a se colocar a serviço dos outros e dos pobres. Para mim, Natal é reavivar a minha esperança em tudo que faço pelo outros, especialmente pelas crianças e famílias da Aphas. Sabendo que, mesmo quando passo por dificuldades que tentam me esmagar, vou encontrar a força de vencer.

O meu Natal será feliz, mas de uma felicidade consciente, que se mistura com as lágrimas, porque hoje como ontem, vejo como é difícil para o nosso mundo acolher o Menino Deus e sua mensagem de amor e fraternidade.