Paróquia
Sagrado Coração de Jesus

Poços de caldas - mg | Diocese de guaxupé

Paróquia hoje:
Homilias em Destaque › 28/03/2011

Sede de eternidade. Desejo de Deus – 27 de março 2011.

A samaritana : sede de eternidade.Desejo de Deus.

O encontro deste evangelho é fantástico. Ele é um ícone de todos nós. A mulher samaritana representa cada um de nós, a nossa história, a nossa alma. A mulher está prestes a ter o encontro mais importante de sua vida.Tudo nasce a partir de um desejo autêntico. Ela está em casa, bem na hora do calor percebe que falta água. Vá até o poço para buscar a água que mata a sede. É meio dia.

A vida é movida pelos desejos. Nós trazemos à tona alguns desejos e escondemos outros. O desejo é um caminho para felicidade, quando vem de uma necessidade real. O desejo é irmão da necessidade. Necessito de água e desejo bebê-la.

Nem tudo que desejamos é necessário. Há desejos falsos, artificiais, que não levam à felicidade, mas à ilusão e à frustração.

No evangelho de hoje, Jesus nos oferece algo que mata a sede da vida para sempre, a realização permanente de um desejo de vida e felicidade.

A mulher resiste inicialmente, não entende. Permanece no plano do desejo que a levou ao poço: água para beber. Mas Jesus oferece uma água viva, isto é, uma água não para beber, mas para viver. A água viva de Jesus alimenta a alma, alimenta a inteligência, alimenta a busca de sentido, alimenta a paz interior.

A água viva de Jesus é Ele mesmo, a amizade com Ele, a comunhão com Deus.

Infelizmente a nossa cultura continua criando falsos desejos: objetos tecnológicos, roupas de grife, tv’s sempre maiores e modernas e tantas outras coisas. O falso desejo não leva a felicidade, é apenas uma ilusão.

Enquanto corremos atrás dos falsos desejos, acabamos escondendo os desejos verdadeiros: o mais importante deles é o desejo de infinito, o desejo de Deus, desejo de paz interior, desejo de altruísmo, desejo de amor-doação. O homem, ser de comunhão e valores espirituais e morais, se torna apenas um consumidor de alimentos, de tempo, de roupas, de objetos. Não que tudo isso seja inútil, afinal precisamos de muitas coisas para viver, mas não podemos fazer dessas coisas o sentido da vida.

O livro “ A águia e a galinha”, uma metáfora da vida humana, nos fala de uma águia criada no galinheiro que acaba achando-se uma galinha. Poderia voar nos altos céus, mas vive ciscando dentro do galinheiro.

Jesus oferece a esta mulher samaritana a luz de uma vida com um novo sentido. Gera em seu coração o desejo de Deus, do amor como comunhão com Deus.