Paróquia
Sagrado Coração de Jesus

Poços de caldas - mg | Diocese de guaxupé

Notícias › 12/09/2014

Verdadeira correção fraterna é dolorosa porque feita com amor, verdade e humildade

RealAudioMP3 

A verdadeira correção fraterna é dolorosa porque é feita com amor, verdade e humildade. Se sentimos prazer em corrigir, isso não vem de Deus. Esta a mensagem principal do Papa Francisco na Missa desta sexta-feira em Santa Marta.
No Evangelho do dia proposto por S. Lucas podemos ler a seguinte frase de Jesus: ‘Porque reparas no argueiro que está na vista do teu irmão, e não reparas na trave que está na tua própria vista?’ – Comentando esta passagem o Papa Francisco falou sobre a correção fraterna, dizendo que o irmão que erra deve ser corrigido com amor e caridade:

Não se pode corrigir uma pessoa sem amor e sem caridade. Não se pode fazer uma intervenção cirúrgica sem anestesia: não se pode porque o doente morrerá de dor. E a caridade é como uma anestesia que ajuda a receber a cura e a aceitar a correção. Tomá-lo à parte, com mansidão, com amor e falar-lhe.”

Em segundo lugar o Papa Francisco considerou que na correção fraterna é preciso falar sempre com verdade, deixando de lado quaisquer tipo de mexericos que ferem e podem mesmo matar o bom nome de uma pessoa. Para além da caridade e da verdade a correção fraterna deve ser feita também com humildade porque é uma ato para curar o irmão – afirmou o Papa Francisco:

A correção fraterna é um ato para curar o corpo da Igreja. Há um buraco ali, no tecido da Igreja que necessita ser cosido. É como as mães e as avós, quando cosem, fazem-no com tanta delicadeza, assim se deve fazer a correção fraterna. Se tu não és capaz de fazê-la com amor, com caridade, na verdade e com humildade, tu serás uma ofensa, uma destruição ao coração daquela pessoa, tu farás mais um mexerico, que fere e tornas-te uma cego hipócrita, como diz Jesus. ‘Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho…’ Hipócrita! Reconhece que tu és mais pecador que o outro, mas que tu como irmão deves ajudar a corrigir o outro.” (RS)

Deixe o seu comentário