Paróquia
Sagrado Coração de Jesus

Poços de caldas - mg | Diocese de guaxupé

Não jogar fora a vida- Homilia do 26º Domingo do tempo comum- Pe Graciano

Há uma
tentativa da parte dos apóstolos de fazer alguma diferença entre as
coisas boas
feitas por eles ou por outros: “eles não são dos nossos”. Jesus
estabelece claramente que bem é bem r
o que é bom é bom.

Não
devemos olhar as “carteira” de identificação, mas a substância
e a bondade dos atos, são sempre bem-vindos,
são sempre uma bênção. Isso se formos olhar de maneira mais
profunda é corrigido por Jesus porque entre os discípulos poderia
existir o pensamento de ser os únicos e os melhores, como
infelizmente acontece ainda hoje em muitos grupos da igreja.

Na segunda
parte Jesus alerta sobre o escandalizar os pequenos que não são
crianças, mas pessoas pequenas na fé, com tanta duvidas, pessoas
que começaram o caminho. Precisamos tomar cuidado em não dar
testemunhos cheios de contradição com a nossa fé.

Precisamos
esclarecer algumas coisas:

No texto
bíblico não está a palavra “inferno”, que Jesus nunca usou.
Esta palavra nasceu bem depois quando se afirmou o conceito do lugar
da condenação. No hebraico a palavra que era usada é “sheol”,
que significa lugar dos mortos. No texto do evangelho é a palavra
grega “hades”,
que traduz sheol
e significa lugar dos mortos, ou das almas. “Geena”
é o termo usado neste texto. Ao redor de Jerusalém havia uma vale
parecida com o leito de um rio seco. Neste lugar era jogado e
queimado o lixo. Era o lixão de Jerusalém. Jesus indica este lugar
e este fogo que não se apagava nunca. A “geena”
existe até hoje, mas é um parque verde bonito. Então neste texto
Jesus não fala do inferno como lugar de condenação, mas quer dizer
que a vida terrena mesmo não pode ser jogada no lixo, não pode ser
destruída.

Ele cita
três membros do corpo que são símbolos de atitudes:

Se tua
mão te leva a pecar

Se teu
pé te leva a pecar

Se teu
olho te leva a pecar

O que isso
significa?

A mão é
símbolo do agir. Mão que leva a pecar são os atos imorais,
injustos, os roubos e todos os atos desonestos.

O pé é
sinal de caminhar, são os caminhos errados que afastam da verdade,
afastam de Deus.

O olho é
sinal da visão errada, a partir da cobiça, os desejos de poder, de
dominar. É o
olhar que não é de Deus, mas que é dos homens do mundo.

Toda a
linguagem é simbólica, então cortar a mão ou cortar o pé ou
arrancar o olho significa para de agir naquela maneira, cortar o
pecado, cortar o mal que está fazendo. Significa afastar dos
caminhos de mal, caminhos de violência, mas também de prazeres
desmedidos, de entrega as riquezas do mundo. Arrancar o olho
significa mudar a forma de ver a vida, não aquela visão egoísta,
interesseira, aquela visão de um mundo como se Deus não existisse.

Professar a
fé e viver valores contrários a ela, é a maneira mais comum de
escandalizar. O discípulo de Jesus deve ser responsável dos seus
atos perante a comunidade, perante sua família, de maneira que as
pessoas perto a sua volta
não se afastem de Deus por sua
causa.

Padre Graciano Cirina

Paróquia Sagrado Coração de Jesus 

Poços de Caldas-MG | Diocese de Guaxupé

Deixe o seu comentário