Paróquia
Sagrado Coração de Jesus

Poços de caldas - mg | Diocese de guaxupé

A renúncia que produz vida- Homilia do 24º Domingo do tempo Comum- Pe Graciano

Se um dia alguém me falasse vamos queimar todos
os evangelhos do mundo e que me dessem
a possibilidade de salvar apenas dois versículos para ficar para
história e as próximas gerações, eu escolheria os dois versículos
que finalizam o evangelho lido neste dia:

Então
chamou a multidão com seus discípulos

e
disse: ‘Se alguém me quer seguir,
renuncie a si mesmo, tome a
sua cruz e me siga.

Pois
quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la;
mas quem perder a
sua vida por causa de mim

e
do Evangelho, vai salvá-la”
(Mc
8, 34-35)

Acho
que aqui tem o segredo da vida, o segredo da realização humana, o
segredo da santidade. São os maiores atos que um se humano pode
fazer, os mais nobres, os mais verdadeiros:

-renunciar
a si mesmo

-tomar
a nossa cruz

-seguir
Jesus (Deus)

Tudo
começa em renunciar a si mesmo. Santo Agostinho já
dizia em
um
discurso: será possível
renunciar ao que se ama? É
possível
amar-se e renunciar a si mesmo ao mesmo tempo? A renúncia
é parte fundamental do ato de amar! O amor é se
colocar em atitude se doação. Não se pode doar o que se retém.
Não posso amar se me tenho. O caráter
ativo do amor maduro consiste no fato que o amor, antes de tudo,
consiste em dar e não receber. Popularmente existe
a consciência
desta verdade quando se usa a expressão: “é uma pessoa muito
dada”. O se doar não é um ato heroico, mas a descoberta da nossa
natureza que é relação, somos seres que vivem
de relação, desejamos
nos unir nos sentir parte do outro e do todo. Não pode existir
relação se alguém não começa a se doar. Renunciar a si mesmo é
a descoberta feliz da lógica do amor.

Tomar
a cruz. A cruz que é
realidade!
Deus não envia cruz. Deus não crucificou Jesus. Mas este tomar a
cruz é o dinamismo da vida que nos traz em si mesma a dificuldade, o
esforço, a conquista, as decepções. O próprio
amor é causa de cruz, pois exige sacrifico,
paciência,
desprendimento…

Carregar
a cruz é imagem de uma vida decidida, da opção de fazer da vida
uma doação.

O
amor maduro capaz de transformar tudo apesar…

Apesar
das dificuldades, apesar da nossa pequenez, apesar das injustiças,
apesar das
enfermidades,
apesar das decepções. Amar não depende dos outros, nem das
circunstancias…, amar é uma decisão nossa. Assim como Cristo nos
ama sempre, apesar…”

Seguir
Jesus. Se você
renunciou
a si mesmo e
está carregando
a cruz, já está
no
seguimento de Jesus, a sua vida e seu estilo de vida já é iluminado
por Jesus como seu exemplo. No tempo de Jesus os discípulos
o seguiam literalmente. O nosso seguimento está em
nossas
escolhas de fé, de vida. Nosso seguimento
está na comunidade onde ele está presente, na fidelidade a
Eucaristia. Nosso seguimento está na espiritualidade
e
oração. Nosso seguimento está naquilo que falou Tiago,
transformando nossa fé em obras de misericórdia.
Nosso seguimento está na prática
do perdão. Nosso seguimento está na busca da semelhança do
coração de Cristo. O primeiro passo que dura uma vida inteira é
aprender a renúncia
que produz o amor e a vida.

Padre
Graciano Cirina

Paróquia
Sagrado Coração de Jesus

Poços
de Caldas- MG

Deixe o seu comentário